quarta-feira, 23 de abril de 2014

Um pouco da história do Educandário Vista Alegre.

Sempre passo em frente a uma construção que me despertava a curiosidade. Consegui identificar o nome com algum esforço (óculos!). O nome era EDUCANDÁRIO VISTA ALEGRE. Escola grande, construção antiga. Daquelas que marcam a paisagem e a história do lugar. Revirei alguns livros que tenho sobre a história de São Gonçalo e não achei nada. Mas continuarei a pesquisar e apresentar mais dados sobre a história desse espaço... Até que encontrei algo na página do Memória Viva.

O site Memória Viva é uma página muito a frente de seu tempo. A 16 anos no ar ajuda a manter em evidência a história e a memória, seja de ícones do passado, seja de lugares e, foi por acaso que encontrei um texto deste site sobre o Educandário em um de seus projetos que é o resgate de algumas matérias de algumas matérias da revista O CRUZEIRO.

O Cruzeiro foi uma revista semanal ilustrada, lançada no Rio de Janeiro, em 10 de Novembro de 1928, editada pelos Diários Associados, de Assis Chateaubriand. Foi a principal revista ilustrada brasileira da primeira metade do século XX e deixou de circular em julho de 1975.

O texto assinado pelo jornalista Luciano Carneiro em 24 de outubro de 1959 é um importante documento sobre a convivência das crianças, da celebração do dia das crianças e, principalmente, um texto denuncia sobre, como o próprio autor define sendo "a casa-grande dos filhos de hansenianos no Estado do Rio".

Segue o agradecimento ao trabalho desenvolvido pela página MEMÓRIA VIVA. Abaixo o texto da Revista O CRUZEIRO.

O Educandário Vista Alegre está fechado desde novembro de 2013.
A Educação municipal perde um importante centro de ensino que ajudaria centenas de crianças da região de Vista Alegre e bairros da região.

Os órfãos de pais vivos

Texto e fotos de LUCIANO CARNEIRO

ESTA é a semana em que os jornais e revistas falam da criança. Dia 12 de outubro está aí. Antigamente, era um dia que lembrava sobretudo Américo Vespuccio e sua descoberta. Hoje, o dia 12 é muito mais o “Dia das Crianças” que o abstrato “Dia das Américas”. Não é, garotada?

Claro, muita gente condena tais festas. O “Dia das Crianças”, como o do “Papai”, o da “Mamãe” e o “Dia dos Namorados”, não passaria de um abuso - de mera promoção comercial, das lojas de roupas e brinquedos. Mas para saber se há de fato abuso, ou se o abuso deve ser coibido, é preciso fazer um inquérito entre as crianças. Só elas podem dizer se os presentes do dia 12 são de mais ou de menos. Na realidade, para se acabar com as festas à primeira vista abusivas ou ilógicas, seria preciso mudar muita coisa neste mundo. Para começar, os homens grandes teriam de celebrar o “Dia do Trabalho” não como agora, repousando, mas trabalhando mais. Não é, garotada?

Êste ano, nossa reportagem do “Dia das Crianças” não mostra, como nos anos anteriores, o desamparo em que a maioria delas vive. Nem ensina como tratá-las melhor; ou diz como as famílias ricas cuidam de seus nenens. Êste ano, visitamos o Educandário Vista Alegre, em Alcântara, a casa-grande dos filhos de hanseníanos no Estado do Rio. São êles órfãos de pais vivos, mas vivem uma infância feliz porque determinadas pessoas respeitam uma velha lei de moral, anunciada há séculos - a responsabilidade não é apenas de Deus; o homem é responsável pelos irmãos que precisam de ajuda.

 NO Educandário, a primeira coisa que nos chama a atenção, afora os jardins e as instalações, é o bom-humor das crianças. O fato de a mesma moléstia ligar o destino de seus pais, e mantê-los segregados de si e do mundo, em nada afeta a sua infância. O repórter foi até lá, sem aviso prévio. Não disse sequer à diretoria que ia fazer uma reportagem. E quando empunhou a sua “Leica”, para bater estas fotos, não teve qualquer dificuldade em fixar imagens de pura alegria. Porque as crianças sabim rir. Na sala de aula, sim, tinham uma disciplina a obedecer e obedeciam. Mas, fora, viviam tão à vontade como se estivessem em sua casa - e estavam. Fora das horas de aula, refeição ou repouso, se perdiam no extenso pátio, e brincavam de pés no chão, alma livre como de passarinho.

 Se o destino das crianças depende realmente da infância, então o futuro daquelas crianças parece bem resguardado. A presunção é científica:

- Só podemos ensinar uma criança a cuidar de si mesma, se permitirmos que ela o tente. Os erros que ela cometer cimentarão o seu aprendizado na vida.

Disse uma professôra ao repórter.

ESSAS crianças devem sua boa situação, primàriamente, a D. Eunice Weaver, presidente da Federação das Sociedades de Assistência aos Lázaros. Foi ela quem espalhou pelo Brasil inteiro os antigos preventórios, que hoje têm o nome, mais correto e mais humano, de Educandário. Mas com quem elas privam dia a dia e de quem recebem uma afeição direta, é uma senhora de Niterói. D. Edina Lellis Leite. Eleita presidente da Sociedade Fluminense de Assistência aos Lázaros. D. Edina tem sido nesses dois últimos anos o “Anjo Bom” do Vista Alegre. Apoiada, em tôda linha, por seu espôso, Sr. Heráclito Lellis Leite, D. Edina fêz grande reforma no Educandário, liquidou dívidas avaliadas em um milhão e 400 mil cruzeiros, e se deixou enternecer por 200 “filhos adotivos”. Luta com enormes dificuldades, mas não se arrependeu de ter aceito o encargo. “Faz um bem tremendo à alma da gente”, disse.

WALDIR tinha apenas um dia de vida, ao chegar. Mal nasceu, teve de ser afastado de sua mãe, a exemplo do que sucedera a quase todos os meninos que o receberam no Educandário, diante do repórter.

 Quando completar seis anos de idade, êle terá permissão de ir conhecer os pais. E dêsse dia em diante os visitará três vêzes por ano - no dia do papai, no dia da mamãe e no Natal - e poderá acenar-lhes de longe, contar suas histórias e de longe tomar-lhes a benção. (De longe - até que o progresso da medicina traga a notícia definitiva, tão esperada, aquela que permitirá abraços e beijos de perto, e o sonho de um convívio comum.)

Quando a diretora do Hospital, D. Maria W. Thomsen, acomodou Waldir no berçário, uma jovem de 17 anos, que também chegara com aquela idade, pediu licença e pregou no véu do berço uma rosa apanhada no jardim. Era mais um gesto de boas-vindas ao novo irmãozinho.

Crédito do texto e do trabalho de resgate da revista o Cruzeiro: http://www.memoriaviva.com.br.

18 comentários:

  1. Obrigada por essa riqueza de material, material de estudo.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada por essa riqueza de material, material de estudo.

    ResponderExcluir
  3. A quele colégio colégio não orfanato la tinha muitas covardias com as crianças e não e tão bom como muitos falam o dr. Afonso ara una praga não gosto nem d lembrar ������

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jorge Luiz, tudo bem? Você foi interno? Eu do educandário na década 80 90. Saí em 94. Me adiciona no Facebook ou anota meu ZAP? 965727164

      Excluir
    2. E se ambos quiserem conversar sobre para uma matéria do memória, entrem em contato. Vai ser uma nova página da história do educandário e de São Gonçalo.

      tardock@gmail.com

      Abração.

      Excluir
    3. OLÁ ME CHAMO BRUNO FOU INTERNO...
      NA DÉCADA DE 90

      Excluir
    4. Olá,como vai você?
      Não sei como foi sua vida, no Educandário Vista Alegre!
      Mas também fui interno,e por sua vez posso dizer que não tenho traumas daquele colégio,Pelo contrario sinto falta do Doutor Afonso,da Tia Katia,Falecida tia Célia, Tio Valdeir...que havia criado os cordeirinhos de cristo,um paizão... Tia Gracinha...como eu gostava dela..e ainda gosto...não digo que não haviam tristezas como a tia Creusa que batia nos internos de Forma abusiva e desumana , meu irmão o bolinha que o diga!
      Bem nao sei seu trauma...mas conheci pessoas muito boas lá...saudades dos meus amigos.
      Rogerinho,Olhudo,Dalmo,Paulo Roberto,Miranda,Francisco..tantos..e Minha professora tia Márcia...Tia Divina!bem na minha época...
      só não gostava do diretor seu AGUILAR.
      desejo a você felicidades. fique bem!

      Excluir
    5. Deixa o seu contato ou anota o meu, fui interno lá também. 21965727164

      Excluir
  4. Olá Jorge Luiz, tudo bem? Você foi interno? Eu do educandário na década 80 90. Saí em 94.

    ResponderExcluir
  5. Conheço uma ex diretora do educandário, de 1993 a 1980 dona Janete

    ResponderExcluir
  6. Conheço uma ex diretora do educandário vista alegre, dona Janete que trabalhou nos anos de, 1993 à 1970

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amiga tudo bem? Anota o meu contato. Tenho várias pessoas de lá. 21965727164 pode me chamar.

      Excluir
  7. Fui uma destas crianças, filha de "leproso" hoje com carinho chama-se filhos de pais de Hanseníase! Assim como eu e minhas irmãs nascemos e duas horas de nascidas, ainda emcubadora éramos levados pro Educandário Vista Alegre. Este Orfanato foi construído exclusivamente e não outra finalidade para nós filhos da Hanseníase! Eu fui a última menina sair como interna, jogada pra fora,sem ter onde morar porque a nova diretoria determinou que através da isenção do sistema de internação institucional dado por nova lei tirando os nossos direitos que só sairiamos de do Educandário quando realmente tivéssemos condições e até casamento já foram realizados. E ao longo do tempo está mesma diretoria foi vendendo os terrenos por volta, até chegar hoje ser um lugar vazio, com apenas lembranças de quem um dia viveu e tinha como seu único e verdadeiro lar! De 1967 a 1986, foi o meu lar Educandário Vista Alegre,minha mãe, meu berço!

    ResponderExcluir
  8. Na época de infância era tão bom.
    No Educandário Vista Alegre teve muito criançada com a Tia Vanda e Dr Afonso e o Tio Valdeir cuidavam muito com agente.
    Nós jogamos bola, brincava de amarelinha, jogava bola de gude e ganhava mais brinquedos. E as festas do parampampa, festa do almoço e a festa do Natal Tijuca.
    Nossa época era tão bom.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Me chamo Robson e fui interno de 79 à 85.
    Eu me lembro muito bem dessa época,do Tio Valdeir,Juninho,Eunice.Também fui dos cordeirnhos, ia de Kombi com seu Afredo,estudar no D.Hélder,em Alcântara.Brincava muito no velho trator,que ficava atrás da escola. ótimas lembranças

    ResponderExcluir